Ele foi chamado de louco pelos vizinhos por tentar plantar uma floresta sozinho. 40 Anos depois o resultado é esse…

Antônio Vicente chamou a atenção de todos quando comprou um pedaço de terra à 200 km de São Paulo para começar a plantar árvores. Essa atitude fez com que seus vizinhos começassem a chamá-lo de louco, mas, ao invés de abortar a ideia, ele continuou firme.

“Quando comecei a plantar, as pessoas me diziam: ‘você não viverá para comer as frutas, porque essas árvores vão demorar 20 anos para crescer'”, relata Antônio, que finaliza: “Eu respondia: ‘Vou plantar essas sementes, porque alguém plantou as que estou comendo agora. Vou plantá-las para que outros possam comê-las.”

Hoje, Antônio tem 84 anos e comprou seu terreno em 1973, época em que o governo militar oferecia facilidades para investimentos na tecnologia agrícola, para impulsionar o ramo da agricultura no país, porém, a ideia de Antônio era justamente o oposto disso.

“Quando era criança, os agricultores cortavam as árvores para criar pastagens e pelo carvão. A água secou e nunca voltou”, explica. “Pensei comigo: ‘a água é o bem mais valioso, ninguém fabrica água e a população não para de crescer. O que vai acontecer? Ficaremos sem água.”

As florestas são fundamentais para a preservação da água porque absorvem e retém esta matéria-prima em suas raízes. Além disso, evitam a erosão do solo.

Quando tinha 14 anos, o senhor saiu do campo e foi trabalhar na cidade como ferreiro e com o dinheiro da venda de seu negócio, ele comprou 30 hectares em uma região de planície perto de São Francisco Xavier, distrito de 5 mil habitantes que pertence a cidade de São José dos Campos.

“A vida na cidade não era fácil”, lembra ele. “Acabei tendo de viver debaixo de uma árvore porque não tinha dinheiro para o aluguel. Tomava banho no rio e vivia debaixo da árvore, cercado de raposas e ratos. Juntei muitas folhas e fiz uma cama, onde dormi”, diz Vicente.

“Mas nunca passei fome. Comia sanduíches de banana no café da manhã, almoço e jantar”, acrescenta. Foi quando retornou ao campo que Antônio começou a plantar suas árvores, uma a uma, e hoje formam uma floresta tropical úmida, com aproximadamente 50 mil unidades.

Enquanto ele queria plantar árvores, a agricultura fez com que cerca de 183 hectares de mata atlântica fosse desflorestada em São Paulo. O que antes cobria 69% do estado, hoje a proporção caiu para 14%, é um número assustador, conforme informa a Fundação Mata Atlântica SOS e o INPE.

“Em 1973, não havia nada aqui, como você pode ver. Tudo era pastagem. Minha casa é a mais bonita de toda essa região, mas hoje não se pode tirar uma foto desse ângulo porque as árvores a encobrem, porque estão muito grandes”, brinca Vicente.

Com o replantio, muitos animais reapareceram. “Há tucanos, todo tipo de aves, pacas, esquilos, lagartos, gambás e, inclusive, javalis”, enumera. “Temos também uma onça pequena e uma jaguatirica, que come todas as galinhas”.

Os cursos de água voltaram a brotar, quando Antônio adquiriu o terreno, havia apenas uma fonte d’água, hoje, esse número subiu para 20. Que essa história sirva de exemplo para todos nós!

About Rafael d'Avila

view all posts

Publicitário. 22 anos. Morador de São José dos Campos. Sempre curioso. Apaixonado por dinossauros, TV e filmes e séries de terror.