Esse garotinho autista construiu uma réplica gigante do Titanic utilizando apenas peças de lego.

Brynjar Karl Bigisson, de Reykjavik, Islândia, hoje com 15 anos, é o responsável por ter criado a maior réplica de Lego do famoso Titanic, há 5 anos atrás.

A obra demorou mais de 700 horas (11 meses) para ser concluída e o garoto precisou de 56.000 peças de lego. A réplica possui 8 metros de comprimento e 1,5 metro de altura.

Quando tinha apenas 5 anos de idade, o menino afirma que passava horas e horas brincando com Legos: “Às vezes eu construía com base em manuais de instruções e, às vezes, usava minha própria imaginação”, disse ele.

Naquela época, ele tinha verdadeira adoração por trens, mas tudo mudou quando Ludvik Ogmundsson, seu avô, o levou para pescar em um barco, fazendo com que o neto descobrisse que sua verdadeira paixão eram os navios. Aos 10 anos, Brynjar já sabia tudo o que precisava sobre o Titanic.

“Quando viajei com a minha mãe para a Legoland na Dinamarca e vi pela primeira vez todos os fantásticos modelos de casas famosas e aviões, locais e navios, eu provavelmente comecei a pensar em fazer o meu próprio modelo de Lego. Assim que fiz 10 anos, comecei a pensar em construir um modelo do Titanic em Lego do tamanho de um personagem de Lego”, disse Brynjar.

Claro que ele não fez tudo sozinho, até porque não iria ter como. Foi aí que seu avô, engenheiro, e a mãe, Bjarney o ajudaram nessa missão. Ogmundsson foi o responsável por reduzir o modelo do Titanic original para o tamanho Lego e ajudou o menino a contabilizar quantas peças seriam necessárias.

Já a mãe, foi uma espécie de incentivo, que a todo tempo estava ali ao lado do filho dando apoio: Se ela não tivesse apoiado o projeto dos meus sonhos, nunca teria sido uma realidade”, disse Brynjar.

Graças a doações de amigos e parentes, ele conseguiu comprar todas as peças que precisavam e abraçou seu autismo através da construção da réplica do Titanic, dedicando-se quase que integralmente ao projeto.

Antes de ter a ideia, Brynjar tinha dificuldades em se comunicar, vivendo infeliz e solitário, como ele mesmo afirma, diferentemente de hoje em dia, onde sua confiança dobrou e ele dá diversas entrevistas sobre o que construiu.

“Quando comecei o processo de construção, eu tinha uma pessoa me ajudando na escola em cada passo que eu dava, mas hoje estou estudando sem nenhum apoio. Minhas notas aumentaram e meus colegas de classe me consideram como seus colegas. Eu tive a oportunidade de viajar, explorar e conhecer pessoas maravilhosas”, disse ele.

A mãe do garoto afirmou que ao longo da criação do filho não tinha noção alguma de como seria o futuro da criança por conta do autismo, e vivia preocupada com os diversos obstáculos que ele enfrentaria ao longo da vida. Atualmente, ela não poderia estar mais orgulhosa de compartilhar com outros pais como é possível sim superar esses obstáculos e alcançar o objetivo que tanto almejava.

“Quando seu filho vier até você com um grande sonho, missão ou objetivo louco que ele ou ela gostaria de alcançar, precisará de sua ajuda. Ouça atentamente e tente encontrar maneiras de ajudar a criança a alcançar esse objetivo. Pode acabar sendo o melhor investimento que você fará para o seu filho”, finalizou a mulher.

About Rafael d'Avila

view all posts

Publicitário. 22 anos. Morador de São José dos Campos. Muito curioso e pouco ansioso, ou vice-versa. Apaixonado por comida, escrever, internet e séries e filmes de terror.