O triste inferno vivido pelos cães para consumo humano em países exóticos: cozidos vivos para ter um ‘sabor melhor’

No Vietnã, estima-se que em um ano cerca de cinco milhões de cães são roubados, amarrados e levados diretamente para um matadouro com a finalidade de deixar mais ‘gorda’ a indústria da carne canina, que é muito comum em países como China, Coreia do Sul, Tailândia, Índia, Indonésia e Filipinas. Independentemente de onde são assassinados, todo o processo desde que são roubados até chegar no prato dos adeptos à iguaria é uma verdadeira tortura.

Os cães são submetidos a um sofrimento injustificável, tudo por conta de uma crença enraizadas nas culturas destes lugares: para os asiáticos, quanto mais os cães sofrerem até o abate, mais saborosa será a carne.

Os que conseguem sobreviver ao translado (algo já muito difícil para eles) são carregados em pequenas gaiolas, sem comida e água, para um destino ainda pior. Esses cachorros são espancados e cozidos ainda vivos, para que seus cadáveres possam ser comercializados com a premissa de que a carne é extremamente saborosa.

Assim como acontece em outros animais, inclusive nós seres humanos, o terror aumenta o nível de adrenalina no corpo dos cães, razão pela qual os captores praticam diversos tipos de tortura. Acredita-se que a ingestão da carne desses animais faz com que as pessoas se tornem mais fortes e aumentem seu apetite sexual, de modo que as práticas aterrorizantes se tornem cada vez mais frequentes dentro dessa indústria.

Junto com o aumento na demanda para a carne canina, várias pessoas decidiram adotar os animais após a externalização das práticas desumanas às quais são submetidos os cães. Isso também acabou ocasionando a criação de várias organizações que trabalham incansavelmente para acabar com este tipo de comércio. Mas independentemente do número de pessoas indignadas com a prática, as nações que possuem este tipo de costume enraizado em sua cultura se recusam a abrir mão dele.

A verdade é que não existe nenhum estudo científico que comprove a cultura asiática sobre o sabor da carne dos cachorros e seus benefícios, mas acreditam fielmente que a carne deste animal pode trazer diversos fatores positivos para a saúde do homem, fazendo com que muitas pessoas se recusem a acreditar que não sejam verdadeiras.

Os quatro principais “benefícios” que faz as pessoas consumirem a carne de cachorro é o aumento do apetite sexual, fortalecimento dos ossos, cura de algumas doenças e até mesmo a conservação do calor do corpo. A maioria dos cães usados para esta prática são criados ilegalmente em fazendas, sofrendo maus tratos, sem comida, água, e só esperando o momento de serem apunhalados na cabeça e cozidos vivos. Em outros casos, os cães são sequestrados de suas casas para serem transportados em gaiolas, ou então arrastados pelo pescoço até batedouros ilegais.

O ‘curioso’ é que o consumo de carne canina é proibido em diversos países, inclusive os que têm esse hábito como comum, mas não há uma fiscalização forte do governo sobre isso, onde em alguns casos, o próprio governo é quem promove a continuação do massacre.

O festival de Yulin é um dos eventos mais conhecidos no mundo com o intuito de promover o consumo da carne de cães. A cada ano, por 10 longos dias, os cidadãos chineses comemoram o solstício de verão com o abate de mais de 10 mil cães, que são “coletados” em tempo recorde nas semanas anteriores ao evento.

Como já dizia Mahatma Gandhi, “a grandeza de uma nação e seu progresso moral podem ser julgados pelo modo como seus animais são tratados”.

About Rafael d'Avila

view all posts

Publicitário. 22 anos. Morador de São José dos Campos. Sempre curioso. Apaixonado por dinossauros, TV e filmes e séries de terror.