Esse vidraceiro assumiu a guarda de filho que tinha sido ‘devolvido’ para abrigo

Hoje você vai conhecer um vidraceiro que sempre soube que iria adotar uma criança, ela, por sua vez, entrou em sua vida com cinco anos de idade e foi amor a primeira vista.

O homem se apaixonou pelo garoto antes mesmo do início do processo de adoção, simplesmente pela foto. Nessa época, ele ainda era casado, porém, o casamento acabou em meio à brigas e ciúmes da companheira.

Durante a separação, a mulher fez questão de ficar com o garoto: “Nos separamos, mas sem muitas divergências, então achei que não tivesse problema ele ficar com ela, mas sempre deixei claro que meu sonho era que ele morasse comigo”, disse o vidraceiro ao Campo Grande News.

Entretanto, o homem continuou vendo a criança, até que em maio do ano passado, o vidraceiro recebeu uma ligação do Núcleo de Adoção da Vara da Infância e Juventude, informando que sua ex-esposa havia devolvido o menino, sem explicações.

A criança não chegou a ser entregue ao abrigo, e poucos dias depois retornou para a casa do pai: “A ligação foi numa terça e na sexta-feira eu peguei ele de volta. Foi um alívio”.

A vida parecia seguir normalmente, até que o garoto teve uma mudança de comportamento repentina, foi então que durante uma conversa, o menino revelou ao pai que sentia saudade da irmã que estava com ele no abrigo.

Os dois e mais quatro irmãos eram maltratados pela família biológica e foram levados pela Vara da Infância e juventude para abrigos, e a irmã mais velha era a única que ainda não havia sido adotada.

Quando o vidraceiro lembra-se que conheceu a menina quando foi adotar o filho, porém, na época ele só podia escolher um e optou pelo garoto, mas agora mudou de ideia.

Ele voltou ao Fórum para ver se tinha condições de fazer mais uma adoção e, para sua surpresa, a resposta foi positiva. Três meses após a audiência, a família toda estava reunida: “Foi uma alegria para ele e toda nossa família. Tenho muitos sobrinhos e minha mãe foi quem se propôs a me ajudar a cuidar dele.”

A menina é bem quieta e tímida, o oposto do irmão, porém, ela deixa claro sua alegria em estar numa nova família. A adaptação tem sido um pouco lenta porque ela foi devolvida duas vezes ao abrigo.

O grande sonho do vidraceiro é fazer com que as crianças o chamem de pai, apenas o menino se dirige à ele dessa forma, enquanto a menina o chama de ‘tio’.

“Até me emociono porque muita gente não entende. Me chamam de louco por ter uma vida simples e adotar duas crianças. Dizem coisas terríveis de filho que mata pai depois que cresce, mas eu não acredito em nada disso, sei que eles só precisam de amor”, finaliza o pai.

O nome dos envolvidos na história foram preservados.

About Rafael d'Avila

view all posts

Publicitário. 22 anos. Morador de São José dos Campos. Sempre curioso. Apaixonado por dinossauros, TV e filmes e séries de terror.