O “homem do braço de ouro”, cujo sangue salvou 2 milhões de bebês faz sua doação final

Em 1951, James Harrison, jovem garoto australiano de 14 anos, acordou após ser submetido a uma grande cirurgia torácica. Os médicos removeram um de seus pulmões e o mantiveram hospitalizado por três meses. Durante esse período difícil, Harrison soube que estava vivo em grande parte devido a uma grande quantidade de sangue transfundido que havia recebido.

Então, ele jurou que se tornaria um doador. As antigas leis australianas exigiam que os doadores de sangue tivessem pelo menos 18 anos de idade, então o menino teve que esperar mais 4 anos.

E assim ele esperou.

Mas Harrison manteve sua promessa. Doando regularmente para o Serviço de Sangue da Cruz Vermelha Australiana por 60 anos, a organização estima que Harrison salvou 2,4 milhões de vidas.

Logo depois que Harrison se tornou um doador, os médicos disseram ao homem que seu sangue poderia resolver um problema mortal. “Na Austrália, até cerca de 1967, havia literalmente milhares de bebês morrendo a cada ano, os médicos não sabiam por que, era terrível”, disse à CNN Jemma Falkenmire, do Serviço de Sangue da Cruz Vermelha Australiana.

“As mulheres estavam tendo vários abortos espontâneos e bebês estavam nascendo com danos cerebrais.” Agora sabemos que a causa dessas coisas terríveis era a doença do rhesus, uma condição em que o sangue de uma mulher grávida começa a atacar as células sanguíneas do feto.

A doença rhesus ocorre quando uma mulher grávida tem sangue negativo para o rhesus (RhD negativo) e o bebê no seu útero tem sangue positivo para o rhesus (RhD positivo), herdado do pai. Se a mãe tiver sido sensibilizada para sangue positivo para o rhesus, geralmente durante uma gravidez anterior com um bebê rhesus positivo, ela pode produzir anticorpos que destroem as células sanguíneas “estranhas” do bebê.

Os médicos descobriram que Harrison tem um anticorpo raro em seu sangue e na década de 1960 eles trabalharam juntos extensivamente, usando-o para desenvolver uma injeção chamada Anti-D. O Anti-D impede que mães com sangue rhesus-negativo desenvolvam anticorpos RhD durante a gravidez.

Os médicos não sabem o motivo pelo qual Harrison tem esse tipo sanguíneo raro. Sua melhor suposição sugere que pode ter algo a ver com as transfusões que ele recebeu quando tinha 14 anos. O serviço de sangue também diz que não há mais de 50 pessoas na Austrália conhecidas por terem os anticorpos. “Cada saco de sangue é precioso, mas o sangue de James é particularmente extraordinário. Cada lote de Anti-D que já foi feito na Austrália veio do sangue de James. ”Falkenmire disse. “E mais de 17% das mulheres na Austrália estão em risco, então James ajudou a salvar muitas vidas.” Cerca de 2,4 milhões, para ser exato.

Conhecido como “O Homem do Braço de Ouro”, James Harrison fez 1.173 doações de plasma sanguíneo – 1.163 do braço direito e 10 da esquerda. “Torna-se algo gratificante saber que fui útil para tantas pessoas”, disse Harrison à CNN. “É algo que posso fazer. É um dos meus talentos, provavelmente meu único talento, é poder ser doador de sangue.”

“Eles me pediram para ser uma cobaia, e eu tenho doado desde então”, disse o herói ao Sydney Morning Herald. “Eu continuaria se eles me deixassem.” Mas o Sr. Harrison ultrapassou o limite de idade para ser doador e o Serviço de Sangue agora procura proteger sua saúde. Na sexta-feira, o Sr. Harrison fez seu último beneficio. Ele foi premiado com a Medalha da Ordem da Austrália em 1999.

Compartilhe o post com seus amigos!

About Gabriel Pietro

view all posts

Gabriel Pietro têm 19 anos, é Web Designer e Criador de Conteúdo do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.