Os vulcões que não estão em erupção podem ser perigosos para nós?

Ninguém quer ver a fúria de um vulcão em erupção de perto. Contudo, muitos que vivem perto do chamado “Círculo de Fogo do Pacífico” estão rodeados de vulcões que não estão em erupção (ainda). É natural nos perguntarmos, quão perigosos são vulcões ditos inativos? Eles podem apresentar alguma ameaça?

A resposta curta é: Vulcões podem ser perigosos mesmo quando não estão em erupção, mas você precisa entender que existem diferentes níveis de risco, dependendo do estado do vulcão.

Como é mostrado no infográfico acima, os vulcões extintos ou virtualmente extintos não representam uma ameaça, mas não podemos dizer o mesmo dos outros. Se um vulcão estiver ativo, é importante tomar precauções para que possamos visitá-los.

A Encyclopedia Britannica explica que o risco de um vulcão ativo, mas sem erupção explodir a qualquer momento é relativamente alto. Embora isso não signifique que as pessoas precisem evitar a todo custo viver perto de um. Há muitas cidades, incluindo Nápoles, Itália, e Quito, no Equador, que vivem na proximidade de vulcões ativos. Embora seja verdade que há algum grau de risco para quem vive perto de um vulcão, erupções típicas não são grandes, tampouco frequentes, mas é natural tomar certas precauções para que, quando uma erupção ocorra, as pessoas possam ser alertados a tempo.

Outro fator de perigo é o exterior do vulcão. Por exemplo, estratovulcões são conhecidos por causar deslizamentos de terra que podem causar perdas humanas. Isso pode ocorrer por atividade vulcânica, terremotos ou chuva. Portanto, há sempre um risco nessas impressionantes estruturas geológicas.

O que você pensa à respeito?

Compartilhe o post com seus amigos!

About Gabriel Pietro

view all posts

Gabriel Pietro têm 19 anos, é Web Designer e Criador de Conteúdo do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.