Cientistas identificam um novo tipo de depressão que você pode ter e nem sabia.

A depressão é um transtorno mental que afeta mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Embora existam tratamentos, muitos deles são baseados em uma hipótese de como a depressão surge.

Pacientes que não estão em conformidade com as investigações podem não se beneficiar. Um estudo realizado pela Universidade de Hiroshima, publicado na revista Neuroscience, revelou como uma proteína chamada RGS8 desempenha um papel importante no comportamento de pessoas com esse transtorno.

Monoaminas, os culpados da depressão?

Até agora, os cientistas acham que as pesquisas sobre monoaminas, nomeadas pelo tipo de duas substâncias químicas que as pessoas deprimidas carecem: serotonina e norepinefrina, explicam como a depressão surge. 90% dos medicamentos antidepressivos baseiam-se nessa ideia. Seu objetivo é recalibrar as duas monoaminas para o uso de pacientes.

No entanto, os autores do estudo e os neurocientistas da universidade, Yumiko Saito e Yuki Kobayashi, comentaram:

“Trinta por cento das pessoas que usam essas drogas não experimentam um efeito perceptível. Obviamente, nós precisamos de um novo tipo de medicamento e outra explicação sobre o que poderia causar depressão.”

Este estudo é baseado em trabalhos anteriores nos quais a equipe descobriu que o RGS8 controla um receptor hormonal chamado MCHR1. As partes do cérebro relacionadas ao movimento e regulação do humor mostram sinais da expressão de RGS8. Quando o MCHR1 está ativo, ele ajuda a regular as respostas do sono, alimentação e humor.

Experimentação

Pesquisas mostram que quanto menos RGS8 existe, mais deprimido é o comportamento. No entanto, esse efeito nunca foi examinado em um ser vivo. O grupo de Saito estudou a depressão em camundongos em duas áreas: nível comportamental e nível imuno-histológico.

Primeiro, os camundongos fizeram um teste de natação, que é um método comum para avaliar comportamentos depressivos em animais. Os pesquisadores mediram o tempo em que cada camundongo estava ativo e, em seguida, o subtraíram do tempo total do teste, deixando um período de imobilidade.

Os ratos com mais RGS8 no seu sistema nervoso registaram tempos de imobilidade mais curtos do que aqueles com uma quantidade normal da proteína. No entanto, quando receberam um antidepressivo que atua nas monoaminas, os ratos RGS8 tiveram tempos de imobilidade ainda mais curtos. E quando receberam uma medicação que impede o funcionamento do MCHR1, o tempo de imobilidade não mudou.

“Esses ratos mostraram um novo tipo de depressão.”

“As monoaminas pareceram não estar envolvidas neste comportamento depressivo, mas o MCHR1 sim,” comentou Saito.

Nos últimos dez anos, os cientistas observaram que os cílios disfuncionais estão associados a distúrbios como obesidade, doença renal e doença da retina. Não se sabe muito sobre sua relação com os transtornos de humor. Estes resultados levaram os pesquisadores a pensar que o RGS8 é um candidato para o desenvolvimento de novos medicamentos antidepressivos.

Compartilhe!

About Gabriel Pietro

view all posts

Gabriel Pietro têm 19 anos, é Web Designer e Criador de Conteúdo do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.