O ‘ovelha negra’ pode ser o membro mais saudável da família e vamos te provar isso

O que é normal? O que não é? É difícil encontrar uma linha de raciocínio que, ao menos, nos guie para ter uma resposta para essas perguntas, já que a ‘normalidade’ vem de padrões e comportamentos alimentados ao longo dos anos pela sociedade e podem englobar diversos fatores.

E isso faz com que muitos ‘preconceitos’ passem a ser criados, um exemplo simples: quantas vezes já não desconfiamos de alguém por estar vestido de um jeito peculiar, com um corte de cabelo diferente ou qualquer coisa que fuja do que consideramos ser normal? A aparência não tem relação nenhuma com a essência humana, mas, ainda é uma dura tarefa fazer com que as pessoas enxerguem isso.

O mundo atual é baseado naquilo que vimos, que ostentamos, nas marcas de roupas que as pessoas vestem, o quanto consomem e o que consomem, fazendo com que tudo isso nos ‘cegue’ sobre a verdadeira essência de alguém. O que realmente importa é o que fazemos, como fazemos, e não o que falamos ou aparentamos ser para os outros.

Nos núcleos familiares isso é ainda mais evidente, já que quem contesta, ousa, enfrenta, faz diferente daquilo que todos os membros da família acham normal, recebe o apelido de ‘ovelha negra’. A verdade é que ninguém é obrigado a manter um casamento que não dá certo, ou vestir determinado estilo de roupa só porque entre os parentes foi assim que a coisa funcionou, muito pelo contrário, os que nascem com essa ‘diferença’ promovem, mesmo sem saber, um avanço na família, expandindo horizontes e encorajando os sem coragem.

Com isso, é preciso ter muito cuidado para julgar de ovelha negra quem já foi julgado por pessoas da própria família, já que só a convivência será capaz de mostrar a essência de cada um. Na maioria dos casos, essas pessoas não quiseram seguir as regras e tradições do grupo familiar, mas sim, caminhar ouvindo as batidas do próprio coração. Trata-se, enfim, de alguém que não se permitiu ser aceito pelos outros em troca da própria felicidade.

About Rafael d'Avila

view all posts

Publicitário. 22 anos. Morador de São José dos Campos. Sempre curioso. Apaixonado por dinossauros, TV e filmes e séries de terror.