Prodígio? Garota de 17 anos cria marca “do nada” com 300 mil do avô e causa polêmica na internet. 

Quem resolve empreender no Brasil sabe que não vai encontrar um caminho fácil pela frente, principalmente pelos riscos que se corre ao fazer um alto investimento, por isso, sempre é preciso estar atento à tudo que acontece no mercado e identificar os momentos certos para fazer aplicação de dinheiro.

Se você navega a internet com frequência, então já deve ter se deparado com a história dessa jovem que está causando polêmica. Isabelle Gantus é uma empresária de sucesso e responsável pela Arnetsa, uma marca de cosméticos.

A empresa nasceu depois de um fato curioso, a menina, na casa dos 17 anos, recebeu o desafio de seu avô de criar a própria marca de cosméticos vegana, sem que sejam feitos testes em animais… Bom, até aí tudo bem, não é mesmo?

Para ajudar a neta, o senhor de 74 anos juntou suas economias e conseguir arrecadar uma quantia de 300 mil reais para começar o empreendimento. Claro, com dinheiro em mãos, Isabelle conseguiu reunir o que precisava para tocar os negócios. Aliás, outra vantagem importante da jovem que começou vendendo cinco batons sólidos e líquidos, era a cobrança de juros.

Enquanto Isabelle afirma pagar 6% de juros, instituições bancárias cobram 20,6% pelo mesmo valor.

Quando entrevistada pelo UOL, Isabelle afirmou que o dinheiro não veio de graça, mas sim, depois dela tentar diversos empréstimos no banco e não conseguir nada: “Dei garantias pra eles, pois tenho alguns bens. Acho até mais difícil lidar com família, pois o familiar está sempre perguntando, verificando”.

O tempo passou e hoje a Ametsa está presente em diversas cidades brasileiras, como Vitória da Conquista (BA) e Nova Iguaçu (RJ). Somando marketing, novos produtos e um canal de venda direta, a companhia vai investir R$2,7 milhões.

Oportunidade x Dinheiro
A história de Isabelle e a quantia de 300 mil reais que recebeu do avô causou alvoroço na internet, pois muitos usuários afirmam que o ocorrido só deixa ainda mais claro o poder das diferenças de classe, raça e gênero no país.

Evidentemente, Isabelle tem uma condição financeira superior à muitos brasileiros, e, se tratando de um universo onde dinheiro faz diferença, essa realidade é o grande trunfo.

Entre 2002 e 2012, cresceu em 20% o número de negros empreendedores, enquanto o dos brancos caiu em 2%. Atualmente, 51% dos empreendimentos brasileiros são comandados por negros. Embora os números nos dê um ‘sopro de esperança’, uma pesquisa feita pelo Procon mostra que os afrodescendentes e pobres sofrem maior discriminação em agências bancárias. Veja alguns tweets:

— BLACK BOY 🔥 (@ManoWiill) July 18, 2018


so tinha 300 mil é ótimo https://t.co/WRQyTOjmiu

— brendha (@brenrdha) July 18, 2018


Vi uma notícia que a família emprestou 300 mil pra mais nova montar seu próprio negócio do zero.            Tem que ser muito incompetente pra não conseguir nada com esse valor…

— Maurício Luiz (@mlzbeats) July 18, 2018


Banco me empresta 300 mil?

— Lay (@LaynaAlves) July 18, 2018

About Rafael d'Avila

view all posts

Publicitário. 22 anos. Morador de São José dos Campos. Sempre curioso. Apaixonado por dinossauros, TV e filmes e séries de terror.