A foto desse casal judeu dando espaço para mãe muçulmana se sentar fica como uma lição para todos nós

Jackie Summers, de Nova York, anda regularmente de metrô para ir ao trabalho e retornar para casa, e recentemente testemunhou um pequeno ato de gentileza que se tornou viral na Internet pelas razões certas.

O homem postou uma foto em suas contas do Facebook e Twitter de um casal judeu sentado no banco do metrô. Bem ao lado do homem e da mulher judia, uma mãe muçulmana podia ser vista amamentando seu bebê. A legenda que ele escreveu quando Jackie postou a foto é reconfortante.

“Um taoísta (eu) desiste de seu assento para que um casal judeu hassídico possa sentar-se juntos. Eles saem correndo para que uma mãe muçulmana possa se sentar e amamentar seu bebê, no domingo de Páscoa. Esta é a minha América: as pessoas se permitindo serem mais humanas.”

Com quase 80.000 curtidas e quase o mesmo número de compartilhamentos, a mensagem de Jackie de espalhar amor entre todas as pessoas rapidamente se tornou viral. Centenas de pessoas elogiaram a imagem e as ações dessas pessoas no metrô e celebraram a diversidade e como diferentes culturas podem se dar bem.

“Isso é o que torna a América ótima! Tenho lutado para encontrar maneiras de me sentir bem com a América”, diz um comentário no Facebook. “Isso, humanidade! Obrigado por restaurar um pouco da minha fé na humanidade hoje, Jackie.”

“Que bela imagem amorosa, Jackie… Que belo sentimento.”

“Esta é a melhor coisa que eu vi hoje”, disse outra pessoa.

Jackie menciona que tirou a foto logo depois de almoçar. Ele capturou o momento do trem F do metrô e descreve-o como um momento cotidiano.

“O momento foi extraordinário em sua simplicidade: uma mera cortesia comum alçada a uma reflexão sobre a diversidade e bom corações dos cidadãos de Nova York e a América em que fui criado”, disse Jackie ao Huffington Post. “Dada a situação de grande polarização em que vivemos, parece que as pessoas estão olhando para esta foto como uma razão para colocar questões como raça, religião e sexo à parte para se concentrar em questões mais importantes e relevantes para uma coexistência pacífica”.

O residente de Nova York também menciona que não pediu permissão quando tirou a foto, porque achava que o sentimento seria “forçado e encenado”.

“Como neto de imigrantes, meus ancestrais acreditavam que a América era um lugar onde existia a possibilidade de equidade”, continuou ele. “Embora esteja claro que ainda temos um longo caminho a percorrer para alcançar esse objetivo, eu e outras pessoas em todo o país estamos lutando todos os dias para termos esse fim.”

Um lindo e reconfortante ato de bondade!

Compartilhe o post com seus amigos.

About Gabriel Pietro

view all posts

Gabriel Pietro têm 19 anos, é Web Designer e Criador de Conteúdo do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.