Ela achava que o chimpanzé a esqueceria depois de 18 anos fora, mas a reação dele é emocionante.

Linda Koeb, ativista e defensora dos direitos dos animais (silvestres, em especial), retornou à reserva de animais a que dedicou sua vida após vários anos. Ela, no entanto, não tinha certeza se seus velhos amigos da selva a reconheceriam.

À contexto, 18 longos anos haviam se passado desde que ela devolveu os chimpanzés Swing e Doll para a vida selvagem. Linda havia conhecido os dois primatas quando ainda era uma sonhadora estudante universitária, de 23 anos de idade.

Swing e Doll tinham sido resgatados de um laboratório de pesquisas químicas, onde ambos foram submetidos a diversos e adversos testes.

Ela passou quatro anos auxiliando-os numa reabilitação. Após esse tempo, os dois chimpanzés estavam estáveis e prontos para a sua nova vida na reserva. Porém, como esperado, após passarem tanto tempo vivendo no laboratório, em cativeiro, seria bastante difícil para Swing e Doll se acostumarem com seu novo habitat (natural).

A ativista estava bastante preocupada se eles não conseguiriram lidar com uma mudança tão abrupta. Linda se lembra de acompanhar os chimpanzés quando foram liberados para a reserva depois de seis anos no laboratório e de como ela estava nervosa com a situação, apesar de feliz.

Foi um longo processo de adaptação, mas lentamente os primatas se acostumaram ao novo ambiente e começaram a levar uma vida feliz, em grande parte graças ao amor e cuidados de Linda.

Após 18 anos, ela voltou para ver como os seus antigos amigos estavam. No vídeo logo abaixo, ela se aproxima dos chimpanzés, sem ter certeza se eles a reconheceriam.

Os responsáveis pela reserva não chegaram a um consenso se era seguro deixar Linda visitar Swing e Doll – os chimpanzés são animais tipicamente fortes e agressivos.

Porém, após o encontro, ninguém pode negar que eles também podem ser bastante amorosos e emotivos. Quem disse que não podem ter sentimentos e memórias fortes?

Confira o encontro incrível aqui:

Apesar de separados por tanto tempo e não tendo absolutamente nenhum contato desde então, o vínculo entre Swing, Doll e Linda é claramente inquebrável!

Alguns estudos da comunidade científica mostram que os chimpanzés são mais conscientes do que imaginamos. E não são muitos diferentes de nós, espécie humana: eles se abraçam, se beijam, apertam as mãos em sinal de respeito/cumprimento e possuem interessantes sistemas sociais.

Ah, e claro, eles também podem amar aqueles que salvaram suas vidas!

Compartilhe o post com seus amigos!

About Gabriel Pietro

view all posts

Gabriel Pietro têm 19 anos, é Web Designer e Criador de Conteúdo do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.