Essas ilustrações mostram a evolução da roupa feminina entre 1784 e 1970.

Numa época anterior ao advento da câmera, quando o mundo ainda era governando, em sua maioria, por reis e imperadores, as roupas eram retratadas para as massas através de desenhos artisticamente ilustrados. Um internauta anônimo da internet recolheu uma série desses belos esboços, documentando as mudanças na moda ocidental desde 1784 até 1970, quando esta forma de arte finalmente se tornou obsoleta.

A linha do tempo apresenta a tendência predominante em cada ano, refletindo as condições socioeconômicas do que com certeza seriam as classes mais altas da sociedade. Começando com elaborados vestidos com aro de fundo para esconder completamente as pernas, lentamente fazemos um luxuoso caminho através do século XIX, onde os vestidos perderam pompa e volume, talvez contrastando com as guerras mundiais, uma época de dificuldades financeiras enfrentadas pelas nações envolvidas, que também atingiu a elite. O chapéu, acessório indispensável até meados dos anos 1950, perdeu vez – o mesmo destino dos vestidos, que cedeu lugar às saias mais curtas e, finalmente, as calças.

Embora a arte do desenho de moda tenha perdido espaço no cenário mainstream, existem alguns especialistas dedicados que a mantêm viva. Role para baixo para conferir algumas dessas ilustrações vintage e não deixe de comentar qual época mais chamou sua atenção!

1784-1788

1789-1795

1796-1803

1804-1811

1812-1819

1820-1827

1835-1841

1828-1834

1842-1848

1849-1860

1861-1874

1875-1898

1899-1907

1908-1914

1915-1929

1930-1954

1955-1970

Compartilhe o post com seus amigos!

About Gabriel Pietro

view all posts

Gabriel Pietro têm 19 anos, é Web Designer e Criador de Conteúdo do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.