Estudos comprovam que as pessoas gostam mais cachorros do que de gente

Algumas faculdades fazem pesquisas tão aleatórias que ficamos nos perguntando o motivo delas existirem, como é o caso dessa a seguir, que foi realizada pela Northeastern University, em Boston, nos EUA, em que chegaram a conclusão de que os humanos gostam mais de cachorros do que de pessoas. Na verdade, não precisava de nenhum instituto de pesquisa para descobrirem isso, né?

Foram pesquisados 240 homens e mulheres de 18 a 25 anos, onde tiveram que ler quatro notícias falsas com a mesma história, porém, eram protagonizadas por pessoas diferentes: um adulto de 30 anos, um bebê de um ano, um cãozinho recém-nascido e um cachorro mais velho, com seis anos.

Nas notícias, os protagonistas descritos acima foram vítimas de violência e ferimentos graves com um bastão de basebol, por alguém que não teve sua identidade revelada.

“Chegando na cena alguns minutos depois do ataque, um policial descobriu que a vítima tinha uma perna quebrada, múltiplas lacerações e estava inconsciente“, concluía a notícia. Os participantes foram então solicitados a indicar seu grau de empatia para cada uma das vítimas.

“Os entrevistados se mostraram significativamente menos angustiados quando adultos humanos foram vítimas, em comparação a bebês humanos e cachorros“, disseram os pesquisadores.

O raciocínio para esse resultado é simples: a violência parece ser mais justificável quando a vítima é um ser humano mais velho, como o homem de 30 anos.

Eles continuaram para concluir: ‘As pessoas não veem cachorros como animais, mas sim como bebês com pelos, como membros da família’.

About Rafael d'Avila

view all posts

Publicitário. 22 anos. Morador de São José dos Campos. Sempre curioso. Apaixonado por dinossauros, TV e filmes e séries de terror.