Jovem sobreviveu 49 dias à deriva no mar em uma “cabana de pesca”.

Era um dia como outro qualquer. O garoto indonésio, de 19 anos, tinha um dos empregos mais solitários do mundo: ele era o guardião de um barco de pescaria a 360 quilômetros do litoral, com um breve contato com seres humanos, uma vez por semana e um transmissor-receptor portátil. O que poderia dar errado?

Aldi Novel Adilang, trabalhava nessa cabana improvisada, que na verdade era uma armadilha para aglomerar peixes. Esta cabine flutuava no meio do mar, apoiada por boias e ancorada ao leito marinho por uma longa corda. Aldi foi contratado pelo dono do barco-cabana para acender lâmpadas em volta da cabana com um gerador de energia todas as noites para atrair os peixes por seis meses.

Toda semana o dono enviava alguém para tirar os peixes da armadilha e fornecia suprimentos para o garoto, suficientes para mantê-lo por uma semana: comida, gás de cozinha, água limpa e combustível para o gerador.

Uma inesperada reviravolta

No dia 14 de julho, a vida de Aldi tomou um rumo inesperado. Um forte vento rompeu a corda que o ancorava ao fundo do mar e a cabana ficou à deriva . O vento o deixou a milhares de quilômetros de distância de sua casa no norte de Sulawsi, Guam. Longe de tudo, ele teve que lidar não apenas com a solidão, mas também com a fome, sede e o medo.

Na “cabana” não havia remos ou motores. Os suprimentos foram suficientes por vários dias, e ao acabar,  ele começou a comer peixe. Então ficou sem gasolina para cozinhar, e passou a queimar pedaços de madeira da cabana para fazer fogo. Aldi também bebia água de suas roupas molhadas com água do mar .

O jovem “sentiu muito medo e chorou muitas vezes enquanto estava à deriva”, disse o diplomata do consulado indonésio em Osaka, Fajar Firdaus.

“Toda vez que ele via um grande navio, tinha esperanças, porém mais de 10 barcos passaram em sua rota e nenhum deles parou ou viu Aldi”, continuou Fajar.

O resgate

Em 31 de agosto, o graneleiro Arpeggio passou por Aldi, que acenou com o pano – como muitas vezes antes – para pedir ajuda. A tripulação não viu. Então Aldi lembrou-se do que um amigo dele lhe disse uma vez que se algum dia ele estivesse à deriva e visse um grande navio, ele sintonizaria uma freqüência em seu rádio. Aldi lembrou-se de como fazer isso. Então o capitão do navio captou o sinal. Quando ele percebeu que alguém estava implorando por ajuda, ele se virou.

As ondas jogaram contra ele naquele dia. Eles eram tão altos que o navio Arpeggio tinha dificuldade em se aproximar de Aldi, porque tentar forçar uma aproximação poderia destruir a cabana e pôr em risco a vida do jovem.

Depois de quatro voltas ao redor de Aldi, o barco jogou uma corda para ajudá-lo, mas a corda não alcançou Aldi. Então ele decidiu pular no mar para pegar a corda, enquanto as ondas e o vento o sacudiam.

Depois de semanas no mar, Aldi já estava muito fraco e quase perdeu a corda. “Mas a tripulação do navio conseguiu pegar sua mão” , disse Fajar.

Veja o vídeo:

Uma final emocionante

O capitão contatou a guarda costeira de Guam. Como o navio estava indo para o Japão, foi decidido que o jovem seria levado para as autoridades japonesas.

A tripulação do Arpeggio deu imediatamente ao garoto mantimentos e comida. Depois, deram-lhe roupas e toalhas para tomar banho, e o cozinheiro do navio até cortou o cabelo de Aldi.

O navio chegou ao Japão em 6 de setembro e em 8 de setembro voou do Japão para Jacarta.

Finalmente, chegou o dia em que Aldi pôde rever sua família depois de ter experimentado talvez a experiência mais dramática de sua vida.

Compartilhe o post com seus amigos!

About Gabriel Pietro

view all posts

Gabriel Pietro têm 19 anos, é Web Designer e Criador de Conteúdo do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.