Vídeo aterrorizante mostra solo da Indonésia se comportando como líquido durante passagem de tufão

Um dos fenômenos mais destrutivos da Indonésia que aconteceu neste ano foi a chamada “liquefação do solo” . Esse fenômeno faz com que o solo sólido se comporte temporariamente como um líquido viscoso. Vídeos recentes publicados mostram esse estranho comportamento da Terra.

Em um dos vídeos publicados, se vê o chão se comportando como se fosse um fluxo de água que está levando as casas e até mesmo uma torre de energia elétrica. Na verdade, esse fenômeno é um dos mais destrutivos.

Veja o vídeo:

O que é “liquefação do solo”? É quando o solo sólido se comporta temporariamente como um líquido viscoso.

Por que esse fenômeno acontece? Este fenômeno ocorre em solos não consolidados saturados pela água que são afetados pelas ondas S (ondas secundárias) que causam vibrações da terra durante os terremotos. Embora o abalo sísmico seja a causa mais comum de liquefação, existem outras práticas de construção que podem produzir esse fenômeno intencionalmente.

Solos siltosos e de cascalho são os mais suscetíveis à liquefação.

Como esse fenômeno acontece? Durante um evento de liquefação, como aquele produzido por um terremoto, as partículas do solo, em combinação com a água localizada nos espaços de poros entre elas, tendem a se comportar como areias movediças.

O solo perde densidade e rigidez, deforma-se e já não consegue suportar o peso, pelo que os objetos começam a afundar.

Os vulcões de areia. A liquefação também pode contribuir para os chamados vulcões de areia. Ocorrem em solos arenosos e siltosos e a pressão faz com que a areia molhada seja expelida em jorros. Após o terremoto, resta apenas uma cratera de areia.

Compartilhe o post com seus amigos!

About Gabriel Pietro

view all posts

Gabriel Pietro têm 19 anos, é Web Designer e Criador de Conteúdo do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.