14 coisas sobre The Big Bang Theory que até os maiores fãs não conhecem

É difícil de acreditar que os primeiros episódios de The Big Bang Theory foram ao ar em 2007, há 11 anos.

Durante esse período mais de 250 episódios sobre os nerds mais amados do mundo foram lançados, e no dia 24 de setembro deste ano os fãs puderam ver o primeiro episódio da temporada final, a temporada 12.

A série está prevista para acabar em março de 2019, mas seus fãs ainda poderão acompanhar um pouco mais sobre a vida de Sheldon, já que este ano foi lançada a segunda temporada de Young Sheldon, que mostra a infância do personagem.

Para comemorar o final desta que é uma das séries de maior sucesso da história, o Criatives juntou 14 coisas pouco conhecidas sobre a sitcom com o maior número de episódios da história. Confira agora mesmo!

1. Laurie Metcalf, que interpreta a mãe de Sheldon, é mãe da atriz Zoi Perry, que interpreta a mãe de Sheldon no spin-off da série Young Sheldon.

2. Jim Parsons sabe tocar teremim, um dos instrumentos favoritos de Sheldon. Criado em 1920 pelo soviético Léon Theremin, o instrumento é considerado um dos mais difíceis do mundo. Aproveitamos para mencionar que Johnny Galecki sabe tocar violoncelo, Mayam Bialik sabe tocar arpa e Simon Helberg toca piano.

3. Existe uma teoria criada pelos fãs da série de que cada cor da camiseta usada por Sheldon representa uma determinada emoção. O vermelho é a ira, a púrpura representa o amor e a paixão, o verde é a calma e a segurança em si mesmo, o amarelo é o medo, o azul é a pena, o azul claro é a esperança e o laranja é a ganância.

4. A famosa música de ninar Soft Kitty foi escrita por Edith Newlin, uma professora australiana, na década de 30. Os filhos dela processaram os criadores da série pelo uso ilegal da música. A ideia de usá-la veio da filha do produtor Bill Pradi, que escutara a canção de uma professora no jardim de infância.

5. Os óculos de Leonard não têm lente. Segundo o ator Johnny Galeki, por causa da diferença de altura entre ele e Jim Parsons, Galeki sempre era obrigado a olhar para cima, o que causava reflexo na lente.

6. Penny aparece com a mesma bolsa em muitos episódios. Até mesmo quando ela muda alguns acessórios, sempre mantém a bolsa, feita de couro marrom e sempre com o mesmo modelo.

7. Sheldon e Leonard receberam esses nomes em homenagem ao ator e produtor americano Sheldon Leonard.

8. Na versão original do episódio piloto da série, Wolowitz e Koothrappali não aparecem e outras atrizes interpretam os papeis de Penny e Leslie Winkle. Além disso, nesse mesmo piloto que não foi divulgado, Penny se chama Katie.

9. Sheldon costuma usar uma camiseta com a imagem de um dos seus super-heróis favoritos, o The Flash. Numa espécie de retribuição, o personagem Cisco Ramon/Vibro, da série The Flash, de 2014, usa uma camiseta que faz referência a The Big Bang Theory.

10. O prédio onde vivem Sheldon e Leonard tem apenas um lance de escada e, portanto, apenas um andar. Toda vez que os personagens precisam subir, os técnicos mudam o aspecto das portas.

11. O apartamento de Raj e a casa de Howard e Bernadette nunca aparecem no mesmo episódio por uma simples razão: tanto o apartamento como a casa são, na verdade, o mesmo espaço.

12. Os títulos de todos os episódios fazem referência a princípios, teorias e experimentos científicos que existem na vida real. A única exceção é o episódio piloto, que se chama Pilot.

13. A ideia original era que a série se chamasse Lenny, Penny e Kenny.

14. Quando Leonard e Penny se conhecem (primeiro episódio) ela está usando a mesma camiseta que acabou sendo usada no episódio 100, chamado ’The Recombination Hypothesis’, quando ela aceita sair com ele.

Compartilhe o post com seus amigos!

Fonte: India Times

About Gabriel Pietro

view all posts

Gabriel Pietro têm 19 anos, é Web Designer e Criador de Conteúdo do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.