Estudante cria sacos de dormir impermeáveis e à prova de fogo para moradores de rua

Sempre acreditamos que o design (em toda sua ampla denominação) só faz sentido quando vem atrelado à resolução de um problema e propondo soluções inovadoras para melhorar a vida das pessoas.

E quem não é designer pode também propor coisas desse tipo? Não só pode, como deve! É o caso da estudante de 15 anos Emily Duffy, que inventou sacos de dormir para moradores de rua. Mas não sacos de dormir comuns: eles são salva-vidas também, pois são impermeáveis, fáceis de ver e muito práticos.

Isso é possível devido ao material da invenção, que é revestido com uma espessa camada de plástico-bolha à prova de fogo e que, além de proteger das chamas, ainda mantém o usuário seco. Os adesivos refletivos (aqueles usados em portas de carro, placas de trânsito) dão aos sacos alta visibilidade.

E as tiras de velcro permitem ao usuário entrar e sair do saco facilmente.

Mas não é “só” isso. Agora os sacos de dormir estão sendo feitos e produzidos por ex-moradores de rua (muitos deles ex-alcoólatras que passaram por um programa de desintoxicação na cidade de Dublin) como forma de incentivá-los a voltar ao trabalho e ajudar aqueles que ainda vivem nas ruas. O salário deles é maior que o salário mínimo na Irlanda.

Assim, essas pessoas ganham uma nova chance de se tornarem parte da sociedade, trabalhando, recebendo salário e ajudando a aquecer e proteger outras pessoas que ainda se encontram em situação de rua.

Veja mais sobre esse maravilhoso projeto:

Compartilhe o post com seus amigos!

Fonte:  The Good News Network

About Gabriel Pietro

view all posts

Gabriel Pietro têm 19 anos, é Web Designer e Criador de Conteúdo do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.