O Beijo da Vida: A História incrível da foto que ganhou o Pulitzer em 1968

 

Assim como outras profissões no Brasil, infelizmente o trabalho de eletricista não tem o reconhecimento que merece e, financeiramente falando, também não é um dos melhores, mesmo sendo um trabalho perigoso, pois o profissional se depara com diversas situações de alta tensão e precisa conhecer sobre eletricidade.

Muitas vezes, um único eletricista precisa trabalhar sozinho com algo em torno de até 7200V, dá pra imaginar? Mesmo com todos os equipamentos de segurança, qualquer deslize pode ser fatal.

O perigo dessa profissão, em 1967, foi registrado pelas lentes de um fotógrafo que captou um momento curioso, que no ano seguinte venceria o Prêmio Pulitzer. A imagem foi batizada com o nome de ‘O Beijo da Vida’.

O que estava acontecendo ali?

Rocco Morabito estava indo para um evento do jornal Jacksonville Journal, quando parou no meio do caminho para ver de perto o trabalho de dois eletricistas, foi então que ele ouviu gritos e, quando olhou pra cima, viu um dos funcionários completamente inconsciente, preso nas alturas somente pelo cinto de segurança.

Quem acompanhava o profissional era um aprendiz, que na mesma hora subiu o poste e, não conseguindo fazer massagem cardíaca no colega de profissão por conta das posições dos corpos, ele iniciou o processo de ressuscitação boca-a-boca. Foi então que Rocco tirou de suas coisas uma máquina fotográfica e captou o momento. Depois de ir até o carro e perceber que não podia fazer nada para ajudar, voltou e registrou outra imagem (que acabou ganhando o prêmio).

O fotógrafo voltou para seu automóvel e transmitiu outra mensagem de rádio (pois a primeira havia sido para pedir ajuda), e disse: “Vocês talvez queiram ver isso. Eu acho que eu tenho uma foto muito boa”. E tinha mesmo, tanto que levou no ano seguinte o Prêmio Pulitzer.

O eletricista conseguiu sobreviver e atuou na profissão por mais longos anos, até se aposentar, em 1991. Em 2002 ele veio a falecer, com 64 anos, vítima de uma parada cardíaca. O aprendiz que estava com ele conseguiu a aposentadoria em 1995, e sua vida foi recebendo vários prêmios e menções honrosas pelo ato de heroísmo.

Rocco, por sua vez, trabalhou no jornal por quatro décadas e se aposentou em 1982. Faleceu em 2009, aos 88 anos de idade… Que história, não?

About Rafael d'Avila

view all posts

Publicitário. 22 anos. Morador de São José dos Campos. Sempre curioso. Apaixonado por dinossauros, TV e filmes e séries de terror.