Engenheiro cria luvas que traduzem língua de sinais em áudio

O engenheiro queniano Roy Allela, de 25 anos, desenvolveu uma luva inteligente capaz de traduzir os movimentos da língua de sinais em áudio.

Ele criou as luvas pensando na sobrinha, que nasceu com surdez congênita. Sabendo que em sua família ninguém compreendia a língua de sinais, Roy criou um dispositivo que pudesse facilitar a comunicação entre ela e seus familiares.

O jovem espera que a tecnologia dinamize a comunicação entre indivíduos com deficiência auditiva e com boa audição.

“Minha sobrinha usa as luvas, as conecta ao celular dela ou ao meu, depois começa a fazer sinais. E eu entendo o que ela está dizendo. Como quase todos os usuários de língua de sinais, ela é muito boa em leitura de lábios, então ela não precisa que eu faça sinais de volta”, disse ele ao jornal inglês The Guardian.

Como funciona

A tecnologia foi batizada de Sign-IO, e conta com sensores flexíveis, costurados em cada um dos dedos que compõem o par de luvas. Eles servem para quantificar a curva dos dedos, de modo a processar os sinais com exatidão.

O par de luvas são conectada via Bluetooth a um software instalado no smartphone, também desenvolvido por Roy. Esse app vocaliza as letras.

Por meio do aplicativo, os usuários podem configurar a linguagem, o gênero e o tom da vocalização – a precisão, segundo o jovem, chega a 93%.

O engenheiro trabalha para acadêmicos da Intel e da Ciência da Informação na prestigiada Universidade de Oxford, na Inglaterra.

Graças ao invento, o queniano é um dos 16 indicados ao prêmio da Royal Academy of Engineering Africa, que prestigia grandes inventores. O prêmio para o vencedor é de £ 25 mil – o equivalente a R$ 120 mil

O vencedor será anunciado em junho.

Leia também17 pessoas criativas que conseguiram resolver seus problemas da melhor maneira possível

Compartilhe o post com seus amigos!

Fonte: Só Notícia Boa

About Gabriel Pietro

view all posts

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao amplo público brasileiro. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para o Sociologia Líquida, Explicando, Segredos do Mundo, Área de Mulher, Criatives, Razões para Acreditar e Feedty. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.