Muçulmano emociona ao postar no Twitter como seu colega de trabalho judeu o trata todos os dias

Não é tarefa fácil trabalhar com pessoas que mal conhecemos. No entanto, com o passar do tempo esse desafio vai ficando mais realizável, uma vez que passamos a conhecer melhor nosso colega de trabalho, compreendendo seu jeito de ser, suas crenças e sua cultura.

Precisamos nos esforçar, dar o nosso melhor para sermos mais gentis e amistosos tanto quanto possível para com o próximo, quer gostemos ou não dessa pessoa.

Talvez haja um pouco mais de dificuldade no percurso caso você e seu colega compartilhem de crenças e ideologias distintas, de modo que respeitar um ao outro seja ainda mais difícil, uma vez que o modo de pensar e de viver possa ser tão diferente comparado ao outro.

No início do ano, um jovem muçulmano chamado Umar viralizou no Twitter ao compartilhar como seu colega judeu trata ele no trabalho todos os dias. Confira!

Depoimento

“O cara que senta do meu lado no trabalho é um judeu israelense. Ele sabe que eu sou Muçulmano. Aqui estão algumas coisas que ele me disse só porque eu sou Muçulmano:

“Ele traz comida para a equipe a cada duas semanas. Algumas semanas atrás, ele trouxe doughnuts de um lugar chamado Country Style. Ele olhou para mim e disse, “não se preocupe, eu chequei duas vezes, eles usam oleo vegetal quando fazem esses, portanto são halal.

Depois de um mês que estava trabalhando lá, meu serviço nos colocou em um resort por uma semana para nossa conferência de vendas semi anual. Os dias são cheios de reuniões e seminários. Ele sentou comigo no almoço e perguntou ‘eles estão te dando tempo entre as sessões para fazer suas orações?’

Mais recentemente, eu tive uma dor de cabeça e perguntei se ele tinha analgésicos. Ele tinha Advil Liquigel e disse, ‘Acho que esses são revestidos com gelatina, então você não pode tomar.’ Então ele se levantou e pegou no bolso de sua jaqueta um Tylenol dizendo “esse você pode tomar com certeza.

Eu primeiro notei que Elliot era mais gentil do que os outros quando eu mencionava halal / haram (legal / ilegal) e ele sabia exatamente o que eu queria dizer. Mesmo em algumas ocasiões em que alguns de meus colegas de trabalho iam a uma lanchonete de carnes no almoço ou a cervejarias, ele sabia que era melhor não me convidar porque sabia que eu diria não. Elliot tinha muito conhecimento do islamismo. Com o tempo, ficou mais aparente que ele genuinamente se preocupa com os outros e procura seus melhores interesses”.

Leia tambémA foto desse casal judeu dando espaço para mãe muçulmana se sentar fica como uma lição para todos nós

Compartilhe o post com seus amigos!

Fonte: RPA

About Gabriel Pietro

view all posts

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao amplo público brasileiro. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para o Sociologia Líquida, Explicando, Segredos do Mundo, Área de Mulher, Criatives, Razões para Acreditar e Feedty. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.