Pessoas que se arrepiam ouvindo música têm cérebro especial, sugere estudo

Você é o tipo de pessoa que sempre se arrepia todo ao ouvir uma música? Poisa saiba que de acordo com um estudo recente, além de ser uma pessoa sensível, você tem um cérebro especial!

Pesquisadores da Universidade de Harvard, uma das mais respeitadas e tradicionais instituições de ensino superior do mundo, descobriram que o cérebro de quem se arrepia com músicas e afins possuem conexões neurais específicas – e especiais.

Tal reação física e neurológica às músicas acontecem com menos da metade da população mundial.

No estudo, cientistas analisaram o cérebro de 20 voluntários utilizando a técnica de ressonância magnética de tensor de difusão, capaz de exibir as conexões entre as diferentes regiões cerebrais.

Ao final, eles descobriram que os voluntários do chamado “grupo do arrepio” possuíam mais fibras nervosas emergindo do córtex auditivo, ligados ao córtex insular anterior e o córtex pré-frontal, responsáveis pelo processamento de sentimentos e monitoramento de emoções.

Por possuir mais conexões nervosas, os cérebros do “grupo do arrepio” possuem experiências sensoriais turbinadas quando provocadas pela música.

Os cientistas não compreendem ainda se os indivíduos que se arrepiam nascem mais sensíveis ou se é possível desenvolver tais conexões com o passar do tempo, ouvindo e se emocionando com nossas músicas preferidas.

Orgasmo sensorial

Os interessantes resultados do estudo indicam que a música pode ter uma função evolutiva no corpo humano, pois se existiram conexões cerebrais passadas de geração em geração, que ligam os receptores de som diretamente ao córtex responsável pelas emoções, é porque algum papel específico ela deve ter para a sobrevivência humana – mesmo que isso signifique apenas facilitar nossas relações sociais.

Mais: a reação química que essas pessoas têm à uma música emocionante ou divertida é semelhante ao que sentimentos em outras tarefas prazerosas, como comer, fazer sexo ou sentir a ação da dopamina no corpo. Talvez por isso mesmos os neurocientistas apelidam o arrepio musical de “orgasmo sensorial da pele”.

Leia tambémEssa banda está tocando músicas populares do rock com instrumentos medievais e o resultado é maravilhoso!

Compartilhe o post com seus amigos!

Fonte: Super

About Gabriel Pietro

view all posts

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao amplo público brasileiro. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para o Sociologia Líquida, Explicando, Segredos do Mundo, Área de Mulher, Criatives, Razões para Acreditar e Feedty. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.