Os pais o jogaram no lixo quando descobriram que ele tinha Hidrocefalia. 3 anos depois ela parece outra criança

Para a maioria das pessoas, a chegada de um filho é uma dádiva nova, que consigo traz um misto de sentimentos e muito amor para a família. Porém, existem pessoas sem compaixão, acabam “descartando” um filho que nasceu com algum problema ou deficiência, como se a vida da criança fosse nada.

Foi exatamente esse tipo de ação que Sara Con, especialista em terapia recreativa, passou. Quando se mudou para o Haiti, Sara tomou a decisão justamente para cuidar e fornecer todo apoio às crianças com deficiência ou em situações precárias.

Lá, trabalhando num hospital, Sara ficou horrorizada quando viu uma mãe carregando uma criança nos braços e minutos depois, encontrou o bebê jogado no lixo, como um descarte. E logo descobriu o motivo pelo qual os pais biológicos da criança cometeram essa atrocidade: o bebê havia nascido com hidrocefalia.

A doença vem a ser o acúmulo de líquido cefalorraquidiano (LCR) no interior da cavidade craniana. E, por sua vez, faz aumentar a pressão intracraniana sobre o cérebro, podendo causar lesões no tecido cerebral, havendo o aumento e inchaço do crânio.

Foi a partir disso que Sara resolveu adotar a criança, mesmo tendo que passar por momentos difíceis, quando os médicos diziam que ela teria poucas chances de vida. Ainda que tivesse esse desafio, a moça não desistiu de tentar e lutar pelo bebê que havia adotado.

“Na maioria das vezes acho positivo, acredito firmemente e de todo o coração no futuro dessas crianças e em seu potencial. E eu vou lutar por isso” Contava Sara, em uma de suas entrevistas.

E mesmo com todas as dificuldades enfrentadas três anos após o primeiro contato com o bebê, ela ainda está bem, vivendo agora com sua mãe em Louisiana, nos Estados Unidos. Sara ressalta que sabe que cada momento pode ser o último para sua filha, então é por isso que a cria com todo o amor possível.

Embora todos os momentos sejam difíceis para um casal cuidando de uma criança com essa doença, ela ainda apresenta uma excelente recuperação. Já consegue ter domínio da cabeça, visão, tronco e sabe socializar como qualquer outra pessoa.

Aqui, vemos um exemplo de história de amor e compaixão. Os obstáculos foram impostos para Sara e seu marido e mesmo assim, com dedicação e carinho, eles foram capazes de cuidar, educar e manter o amor verdadeiro, transmitindo-o para seu bebê.

About Rafael d'Avila

view all posts

Publicitário. 22 anos. Morador de São José dos Campos. Sempre curioso. Apaixonado por dinossauros, TV e filmes e séries de terror.