Mãe leva bebê anã para casa para morrer – Hoje em dia a garota prova como os médicos estavam enganados

Foi em 2003 que Brianne Jourdin deu à luz a uma garota chamada Kenadie, infelizmente, a criança nasceu com sérios problemas: só tinha uma parte do cérebro e era extremamente pequena. Os médicos alertaram Brianne de que a pequena garota teria sérios problemas cerebrais e teria só alguns dias de vida, como não sabia quanto tempo ela sobreviveria, Brianne levou Kenadie para ser batizada no dia em que ela nasceu.

Felizmente, Kenadie sobreviveu, e ao completar 8 meses de vida ela foi diagnosticada com uma forma rara de nanismo, fazendo com que causasse envelhecimento prematuro, ossos frágeis, problemas respiratórios, dentre outros. Porém, 14 anos após seu nascimento, Kenadie está viva e bem, chamando a atenção dos médicos que diriam que ela não iria ter muito tempo de vida.

“Ela é gentil de coração, é amorosa e quer compartilhar tudo com todos. Ela é decidida, determinada e independente”, afirma a mãe da garota, que tem a altura de uma criança de 2 anos. Apesar disse, Kenadie frequenta uma escola normal e possui atividades extracurriculares, assim como todos os seus outros colegas. A menina tem seu desenvolvimento acadêmico menor, porém, adora aprofundar suas outras habilidades, como cozinhar.

“Isso me deixa orgulhosa – isso me faz chorar – eu choro toda vez que ela está na pista de patinação. Tudo o que ela faz eu choro “, disse Brianne. “Ela definitivamente provou que todos esses médicos estavam errados. Ela desafiou todas as probabilidades. Ela superou tantos obstáculos “.

Kenadie, apesar de ter superado a expectativa de vida dada pelos médicos, enfrenta muitos riscos, sendo o aneurisma o maior deles: “Minha esperança para o futuro de Kenadie – minha maior esperança para ela – é que eu quero que ela seja feliz. Eu quero que ela sorria e seja bem sucedida “, finaliza Brianne, sua mãe.

 

About Rafael d'Avila

view all posts

Publicitário. 22 anos. Morador de São José dos Campos. Muito curioso e pouco ansioso, ou vice-versa. Apaixonado por comida, escrever, internet e séries e filmes de terror.